Páginas

sexta-feira, 24 de fevereiro de 2012

TODAS AS MULHERES MERECEM ROSAS


Saltava aleatoriamente os olhos pelos títulos quando, atravessando cinco expositores dos mais vendidos, uma senhora, a quem conheço de vista, disparou:

- Todas as mulheres merecem rosas. Concorda comigo?

- Todas as mulheres merecem rosas, repeti. Algumas, as pétalas; o resto, os espinhos.

Grunhiu, ameaçou-me guarda-chuvadas, decretou-me “engraçadinho” e, antes de qualquer atitude mais enérgica e dolorida, saí apressadamente da livraria. Quando repito essa passagem, as mulheres mudam de humor. Por razões desconhecidas, boa parte delas se joga no grupo das que merecem os espinhos.

Empenhei alguns fins de tarde pensando no motivo que as levava a se incomodarem com minha afirmação e não tive grandes dificuldades em entender, nas entrelinhas das respostas, que se sentem mal-amadas, usadas, rejeitadas, humilhadas, postas de lado. O marido, o namorado, o parceiro ou quebra-galho possui mil e uma prioridades. Ela, a mulher, é sempre a última. Relendo Rubem Alves e suas considerações pelos ipês, jardins e jardineiros, deduzi que mulheres são como rosas. Rosas não possuem vontade, não se expressam nem se manifestam. Quem faz uma rosa desabrochar e alcançar suas potencialidades não é a rosa, mas o jardineiro que a tem sob seus cuidados.

O jardineiro escolhe a melhor terra, retira as pedras e os demais empecilhos do solo, cava o buraco adequado – em profundidade e em largura, joga a água dentro dos padrões necessários para que a rosa não dependa de sua mão nem morra antes da vitalidade, protege-a durante sol excessivo ou chuva arrasadora, ataque de ventos ou das formigas.

Alunos são como flores. Mulheres são como rosas. Se obtiverem bons jardineiros, alunos e mulheres serão moldados à imagem da estética apurada e à semelhança do mais alto grau de sabedoria, de compaixão e de sensibilidade. Alunos e mulheres poderão ser moldados a ponto de perceberem que a realidade coletiva imposta ao mundo contemporâneo alicerça-se essencialmente nos símbolos. Quando alunos e mulheres descobrirem que um pássaro em vôo não é apenas um pássaro, entretanto um espírito que se recusa à destruição, ao cárcere e ao sofrimento, certificar-se-ão que professores e parceiros cultivaram flores e rosas aptas a construir e a destruir: a construir a solidariedade, o amor, a compreensão, o incentivo e o universal; a destruir o egoísmo, a mesquinhez, o sofrimento, a angústia e o isolamento.

Alunos não são flores. Mulheres não são rosas. Ao contrário das flores e das rosas que dependem do jardineiro para alcançar a vida plena, alunos e mulheres são responsáveis pelos seus atos na medida em que, diferentemente de flores e rosas, possuem a capacidade da reflexão, da ação, da contestação e, principalmente, da mudança.

Flores e rosas não reclamam do corte ácido. Alunos e mulheres podem refletir sobre os atos de professores e parceiros. Após a reflexão, dispõem da possibilidade de agir, concordando ou discordando. Se discordarem, cabe-lhes contestar e mudar o professor estúpido ou o marido grosseiro.

Flores e rosas precisam de jardineiros. Alunos e mulheres também. O fracasso do jardineiro de flores e rosas manifesta-se nos exemplares murchos. Pouco nos importamos com jardins entristecidos ou abandonados. O deslize do jardineiro de alunos e mulheres exibe-se nas ações cotidianas a que estamos submetidos: alunos humilhados, massacrados, desestimulados ou incompreendidos podem assaltar nossas casas ou estraçalhar nossas vidas; mulheres mal amadas são encontradas aos milhares. Um ônibus, uma escola, um supermercado, cinema ou feira livre para identificá-las com grande facilidade: reclamam, anulam-se, fecham-se para a vida, o prazer e as oportunidades que não batem, mas estrondam as portas de seus castelos de insignificância.

Flores e rosas não podem trocar seus jardineiros. São destinadas ao sucesso ou à desgraça de acordo com a sorte. Alunos e mulheres podem trocar seus jardineiros: basta praticarem a reflexão, a ação, a contestação, a mudança.

Mulheres não são rosas, mas concordo com a interlocutora da livraria ao defender que todas as mulheres merecem rosas. Algumas, banho de pétalas; outras, cama de espinhos.


*Publicado originalmente na coluna Ficções, caderno Tem!, do Oeste Notícias (Presidente Prudente – SP) de 24 de fevereiro de 2012.

sexta-feira, 17 de fevereiro de 2012

CONVITE DE PRAIA





Um amigo de longa data – mais ou menos setenta anos de idade – convidou-me para três dias das férias numa dessas lindas e pouco habitadas praias paulistas. Relutei dezenas e dezenas de vezes. Disse-me que poderia caminhar na orla ao fim da tarde, fazer churrasco o dia inteiro, encher a cara de Coca-Cola, água de coco, sucos de laranja e derivados, ler os jornais numa rede improvisada com vistas ao mar, ouvir o barulho das ondas ao dormir e aproveitar o café da manhã que ele preparava diariamente para as netas.



- Aqui, pode escrever na sua agenda e memorizar, não falta mulher. São sete!



Não são todos os dias que um amigo, ainda por cima avô moderno e liberal, me dava uma indireta daquelas de modo que, na tentativa de descobrir mais detalhes da casa na praia lotada de mulheres, indaguei quem mais estaria lá. Gostava de privacidade e lugares turbulentos ou infestados de barulho tiravam-me o humor. Diante da resposta – que ele, as netas e uma namorada que encontrara num jogo de tênis no clube local – não pensei duas vezes, arrumei minha bolsa de viagem, joguei dentro algumas roupas, separei calção de banho, boné, protetor solar.



Na rodoviária, o atendente informou-me que as últimas passagens daquele dia tinham sido vendidas horas antes de modo que, se comprasse agora, poderia viajar a São Paulo às dezoito horas do dia seguinte. Ainda restava-me uma alternativa: um ônibus da mesma empresa partiria de Assis com itinerário ininterrupto para Santos. Por sorte, um conhecido a quem não via há bastante tempo, levaria os dois filhos a Assis. Ofereceu-me carona desde que arcasse com as despesas – de ida e de volta – do pedágio. Perguntei por que pagar a volta se apenas iria. Ele riu. Constatei a idiotice de meu questionamento.



O ônibus saiu pontualmente levando três assentos vazios o que facilitou meu sono por quase duas horas e meia quando, parando quinze minutos num desses postos de combustíveis na estrada deserta para os esfomeados ou necessitados de banheiro, uma senhora discorreu sobre as perspectivas de entrar no mar pela primeira vez. Praticamente nunca saíra do Mato Grosso do Sul, com exceção de algumas viagens às fazendas do patrão no Paraná. Sentia-se realizada de – quase no fim da vida, como ela mesma frisou – conhecer uma das maravilhas de Deus. Falou dos cinco filhos, oito netos, das noras que adorava, dos genros que detestava, do marido que, depois de aposentado, dormia o dia inteiro no sofá, da criação de galinha caipira, do carro comprado num estacionamento de Campo Grande que, de tantos e variados problemas, sugara-lhes as economias de anos nos consertos freqüentes...



Desci em Santos, despedi-me da simpática senhora e cumprimentei a irmã do amigo às mãos de quem os filhos se prenderam, extasiados pela balbúrdia urbana. Entrei em novo ônibus. Mais uma hora. À plataforma, Coca-Cola de dois litros e dois copos descartáveis. Sentamo-nos na praia, Sol ainda frio, as maravilhosas turistas caminhando, correndo ou tomando banhos de mar. Delicadamente, perguntei das netas. Dormiriam até às dez e meia. Tinham se recolhido provavelmente às três da manhã.



Meu amigo passaria parte da noite nos braços da namorada recentemente descoberta, voltaria cansado, lançar-se-ia na cama, caminho livre para mim. Nunca fora tão fácil um lobo vestir-se em pele de cordeiro. Sete mulheres para quinze dias! Quinze dias com sete mulheres! O que mais poderia desejar?



Poderia desejar que meus sonhos se transformassem em realidade. Meu amigo não mentiu em nenhum momento! Depois de terem ido dormir às três da madrugada, sete netas acordaram depois das onze horas. Por que tinham ido dormir às três da manhã? Assistiam ao filme do “Bob Esponja”. Sete netas de seis a nove anos de idade. Quinze dias ajudando meu amigo a cuidar das sete netas? Os mais precavidos nunca fecham negócio antes de lerem, relerem e questionaram os contratos. Da próxima vez que receber convite milagroso de praia, quero detalhes dos detalhes dos detalhes. Nunca mais recebo cavalo sem antes examinar os dentes.



*Publicado originalmente na coluna Ficções, Caderno Tem!, do Oeste Notícias (Presidente Prudente – SP) de 17 de fevereiro de 2012.

sexta-feira, 10 de fevereiro de 2012

MULHERES DE LONDRINA


Deveria adquirir o direito de viajar a Londrina (PR) nos meses de extremo calor quem atingiu o discernimento das pequenas observações. As londrinenses detêm charme inigualável durante o frio trajando roupas iguais, semelhantes cortes de cabelo, maquiagens idênticas e movimentos corporais sem surpresa, mas apenas o calor – inspirando-se na fábula de Esopo – as obriga aos mínimos panos: camisetas, shorts, saias, vestidos, chinelos ou sandálias.


Se Olinda (PE) ou Ouro Preto (MG) podem integrar a lista de Patrimônios Culturais da Humanidade, às Mulheres de Londrina o título de Patrimônio Natural das Gostosuras.


Quem – sentado ao Calçadão, visitando lojas, caminhando ao redor do Lago Igapó, bebendo suco na Universidade de Londrina ou a ela se deslocando nos ônibus sufocantes e lotados, tomando sorvete no shopping ou procurando lugar no cinema, atrasando-se ao teatro ou adiantando-se ao barzinho, esquecendo-se do horário de chegada à rodoviária ou trocando o dia do vôo – não presenciou uma Mulher de Londrina sorrindo, ajustando o cabelo, conferindo as unhas, os dentes ou as sobrancelhas? Mexendo na bolsa, verificando informações ao celular, aumentando o alcance de notícias corriqueiras? Procurando a página certa do livro equivocado?


A Mulher de Londrina jamais perde tempo caminhando na rua. Simplesmente se devota à tarefa de desfilar sua beleza e ampliar os minutos de nossa contemplação. Nunca almoça, janta ou lancha, entretanto degusta com seus lábios sedutores. Em nenhuma hipótese sorri: explode as barreiras de nossa cegueira para o belo, o significativo, o inexorável.


Contemporaneidade, pluralidade, democracia, conhecimento, elegância, pontualidade, percepção, sensibilidade, delicadeza, força e perseverança são características da Mulher de Londrina que, pelo cosmopolitismo, abre as portas para o universo. Mulher de Londrina não é quem nasceu em Londrina, mas quem adotou estilo de vida moderno, perdeu-se da mesquinhez, da estupidez e da falta de amor para se dedicar à vida e, sem vergonha de alcunhas de brega, fixar uma placa à porta: “Aqui mora uma mulher bem-amada”. Portanto, quem ainda não encontrou o amor, o prazer, o sorriso, o carinho, a felicidade, a sutileza e a vontade de ultrapassar os limites do transcendental, basta se transformar, o mais rapidamente possível, numa Mulher de Londrina. Uma mulher resumida em duas palavras: completa, perfeita. Uma mulher que não se define pelas formas ou pelas curvas, contudo pelo singular estado de espírito.


Obviamente algumas exceções desmontarão meu discurso: num ambiente fechado ou nas pressas de fim de ano, de carnaval ou de promoção de lojas de departamentos, algum homem sombrio ou mulher invejosa identificarão uma ou outra serpente mal educada esgueirando-se entre o jardim de rosas da espécie mais perfumada – que é a Mulher de Londrina. Aos invejosos um banho de silêncio, de compreensão e de piedade. Não se discute quem opta por estilos diversos do bem-viver, do bem amar, do bem sonhar, do tirar o sono dos amantes e de atiçar os desejos de quem se considerava para lá do terceiro tempo do jogo.


Quem percebe uma Mulher de Londrina perdida no Jardim Botânico de João Pessoa (PB), na Biblioteca Nacional (RJ), no Teatro Amazonas (AM), na Casa de Cultura Josué Montello (MA) ou na Casa de Cultura Mario Quintana (RS), esperando foto com Dalton Trevisan (PR) ou água de coco com Autran Dourado, Affonso Romano de Sant’Anna, Deonísio da Silva, João Ubaldo Ribeiro ou Rubem Fonseca na orla do Rio de Janeiro precisa de discernimento, agilidade mental e ação eficaz para conquistá-la e aprisionar-lhe o coração. A oportunidade de trabalhar uma pedra preciosa não nos bate à porta todos os dias. A loteria dificilmente premia os que desesperadamente recorrem a ela. Sutileza, sensibilidade e percepção são fundamentais.


Um fragmento bíblico nos alerta: muitos os chamados, poucos os escolhidos. São divinamente contemplados os que se envolvem com mulheres perfeitas e completas. Muitos são os que desejam mulheres perfeitas e completas; poucos os que detêm o privilégio de desfrutar, conviver e amar uma Mulher de Londrina.


*Publicado originalmente na coluna Ficções, caderno Tem!, do Oeste Notícias (Presidente Prudente – SP) de 10 de fevereiro de 2012.

sexta-feira, 3 de fevereiro de 2012

ROBERTO AGAPITO

Roberto Agapito entrou em nossas vidas de maneira mansa. Assim como muitos outros que encontraram abrigo, conforto e compreensão em nossa casa, começou a freqüentá-la pelo lugar mais delicioso: a cozinha.


Quando, em agosto de 2010, por ocasião do dia dos pais, lancei meu livro de contos e crônicas, disse, durante nosso programa de rádio, que tinha orgulho de tê-lo no seio de nossa família. Vejo que estava errado: não é Roberto Agapito que ganha dias de sensibilidade e horas de alegria entrando diariamente em nossa família, mas é nossa família que toma aulas de honradez, lealdade e transparência de caráter, características tão nobres que realmente só podem ser atribuídas aos cavalheiros de grande estirpe.


Roberto Agapito integra a alta linhagem dos mais nobres cavalheiros na medida em que nos surpreende com sua educação e cortesia. Eventualmente perde a cabeça quando se equivoca em suas ações e meu pai chama-o à razão – assim como tem feito comigo inúmeras vezes. Revolta-se, briga, discute, bate-boca, mas, assim como eu, depois de boa dose de reflexão, retorna ao ponto de partida para aprender a andar novamente. Apenas um cavalheiro exerceria plenamente a qualidade mais cara ao homem: a humildade. A humildade com que assume o erro é a mesma humildade que aumenta o tamanho de seu espírito quando, correto, prefere desculpar-se a discutir com pessoas repletas de sofrimento, de desesperança, de solidão.


A humildade e a gentileza não o tornam submisso, entretanto consolidam os ares de cidadania que o eleva aos expoentes dos movimentos sociais. Adepto dos trabalhos voluntários, participa da fundação de Associações de Moradores, de entidades representativas, de grupos civis de orientação e prevenção à Aids, contra as drogas, as bebidas alcoólicas e o tabagismo. Perseguido pelos corruptos, jamais esmorece ou se intimida. Seus esforços ultimamente têm se voltado à criação da Associação de Saúde Mental que, na sua concepção, assegurará cidadania aos pacientes dos centros de Saúde Mental.


Sua veia mais visível: a Arte. Gosta de música, de rádio, de conversar e captar, em seus poemas, a fragilidade universal. Se o poeta constrói-se na nobreza de espírito, Roberto Agapito é grande pelo conjunto de suas características imanentes.


Justamente pelo enfrentamento, alguns perseguidores quiseram agredi-lo, criticá-lo, magoá-lo. Não se pode agredir, criticar ou magoar quem, nas palavras do poeta Antônio Lázaro de Almeida Prado, atingiu a inigualável capacidade de sofisticar a realidade plantando os pés nas nuvens. O cronista e filósofo Rubem Alves proclamou, em uma de suas crônicas, que o nome de Deus era tão forte que, ao ser pronunciado, os demônios de todos os infernos estremeciam. Sinto-me presenteado se o nome de Roberto Agapito é atacado por ladrõezinhos de meia tigela. Um ladrão apenas elogia seus comparsas, seus bajuladores, seus companheiros e similares. Ser atacado por um ladrãozinho de meia tigela é ter a convicção de que não se está na mesma quadrilha que ele, contudo no caminho oposto. O caminho oposto à ladroagem é a honestidade.


Quando estive em Porto Alegre em 2009, almocei com o romancista Luiz Antônio de Assis Brasil a quem, durante o café, solicitei o autógrafo a duas dúzias de livros. Enquanto rabiscava as mensagens, perguntou-me quem era Roberto Agapito. Poeta de alto quilate do interior paulista e, sem dúvida, um irmão. Irmão que se reunia a mim em sonhos, desejos, realidades, aspirações coletivas e literárias.


- Neste caso, complementou Assis Brasil, somos todos irmãos.


Quando leciono ou me dirijo a públicos para falar de Educação, Literatura ou Corrupção, lembro-me de Paulo Freire, Edgar Morin, Rubem Alves e Boaventura de Sousa Santos: Educação não se encerra nos limites da escola, mas transpassa os meandros da sociedade. Perdemos tempo em faculdades quando, na prática, precisaríamos conviver com as pessoas certas.


Aprender a ouvir é a primeira ferramenta do Educador. Aprender a ouvir é a surpresa de cavalheiro de estirpe. Se pretendo me tornar pessoa melhor e Educador de verdade, preciso inspirar-me nos cavalheiros. Quando penso em cavalheiro de mais alta linhagem, a imagem de Roberto Agapito desenha-se em minha mente.

*Publicado originalmente na coluna Ficções, Caderno Tem!, do Oeste Notícias (Presidente Prudente – SP) de 3 de fevereiro de 2012.