Páginas

sexta-feira, 22 de junho de 2012

SEM DINHEIRO

- Pois é, disse o comerciante, agradecendo a cliente octogenária que levava duas cartelas de ovos amarradas cuidadosamente por longo barbante e acomodadas numa sacola biodegradável de cor azul, nome de concessionária de automóveis e de locadora de vídeos no campo dos patrocinadores. O passeio a João Pessoa foi excelente. Minha namorada e eu pegamos o vôo em Presidente Prudente. Meu amigo gastou menos de uma hora para nos deixar no aeroporto que ainda precisa de alguns ajustes: ampliar o estacionamento, melhorar a qualidade do condicionador de ar e, principalmente, disse uma passageira, maneira de desembarcarmos diretamente numa área coberta quando houver risco de chuva. Na verdade, eu acho que nem precisa disso tudo. Quem vai levar o passageiro, para o carro e já vai embora. Para que aumentar estacionamento? Quem vai viajar, fica pouco tempo. Para que mais condicionadores de ar?


Um menino de olhos mortos perguntou se tinha azeite de oliva. Diante da negativa, saiu apressado, mão no bolso, segurando a nota de cinqüenta reais.


- Arranjei uma namoradinha de vinte e oito anos, comprei um pacote para João Pessoa, semana inteira comendo do bom, bebendo do melhor, dormindo embaixo de coqueiro e estirando o corpo na rede do hotel. Você se lembra que a anterior, com quem passei vinte e cinco anos casado, quatro filhos e dívidas imensas nos bancos, desgastou-me muito. Já tinha esquecido como a vida é boa. Vida nova, mulher nova, viagem nova. Acredita que nunca tinha viajado de avião?


- Os novos pacotes facilitam a vida de muita gente e, da mesma forma, têm levado muitos desavisados à falência. A nova classe média comprometeu mais de sessenta por cento dos salários em dívidas a longo prazo e, acredito, desemprego involuntário ou queda do consumo para causar efeito dominó...


- O senhor tem caldo de mocotó enlatado? Homem de chapéu de palha cortava o discurso econômico do interlocutor do dono da mercearia que, sem se levantar da cadeira atrás do balcão, apontou a última estante do último corredor.


- Como eu estava dizendo, retomou o parceiro do dono da mercearia, muitas famílias endividaram-se até o pescoço. Algumas, com sacrifício, conseguem pagar as dívidas. A maioria jogou-se num abismo, não sabe o que fazer.


O homem de chapéu de palha retornou com o mocotó enlatado, duas garrafas de cachaça, goiabada, bananada, ervilhas, meio quilo de salame, meio quilo de presunto, meio quilo de queijo e meio quilo de tomate. Jogou a mercadoria no balcão, pagou em dinheiro vivo e, pensando alto sobre as diversões no fim de semana, saiu tropeçando num engradado de cerveja, esquecido do lado de fora do estabelecimento.


- E, retomou novamente o parceiro do dono da mercearia, visualizamos os efeitos devastadores. Sem me referir à capital, ao Rio de Janeiro ou Cuiabá. Vejo os problemas aqui mesmo em nossa região. Acredita que trinta e oito por cento de meus compradores estão me dando o cano? Comprando mais do que podem pagar? Adiando o pagamento porque compraram, sem necessidade, carros, casas, motos, imóveis na praia? Tem gente que até sítio comprou nesse oba-oba. E eu? Fico no prejuízo! Entreguei a mercadoria no prazo combinado, esperei o pagamento, adiei a data do vencimento, facilitei o valor total em cinco, sete e até doze vezes sem juros. Mesmo assim, tem gente que não paga de jeito nenhum.


- Um verdadeiro absurdo, interveio o dono da mercearia. Se compramos, devemos honrar nossos compromissos e pagar corretamente nossas contas! Detesto caloteiros!


- Eu também acho, disse o parceiro. Sabendo disso, continuou delicadamente, esperei vinte dias após seu retorno de viagem de descanso com a nova namorada na qual certamente gastou uns dois ou três mil reais...


- Na verdade, gastei R$ 5.897,89. O dono confirmou, sorridente.


- Esperei vinte dias, voltar à rotina para cobrar aqueles trezentos reais, que parcelei em seis vezes, já adiei o vencimento outras tantas. O senhor poderia me pagar hoje?


Sem perder a esportiva e o sorriso bonachão, o dono da mercearia:


- Sabe o que é? Sou mini-empresário. Acabei de entrar na nova classe média. A nova classe média com dívida até o pescoço, sem conseguir pagar as novas despesas... Que tal voltar daqui a dois meses?

*Publicado originalmente na coluna Ficções, Caderno Tem!, do Oeste Notícias (Presidente Prudente – SP) de 22 de junho de 2012.

Nenhum comentário: